segunda-feira, 15 de maio de 2017

Sonha comigo

"...You are not wrong, who deem
That my days have been a dream;
Yet if hope has flown away
In a night, or in a day,
In a vision, or in none,
Is it therefore the less gone?  
All that we see or seem
Is but a dream within a dream."


Edgar Allen Poe







Porque raio estará o gato a vomitar para dentro das sapatilhas de caminhada ? Se está mal disposto, não é seguramente ali que vai se vai aliviar de brisas frescas...

 Susto! Acordo estremunhada  e sem sombra de felinos nas imediações, mas o grito apavorado ainda ecoa no meu subconsciente que o captou e foi ampliando progressivamente, até tomar proporções gritantes de trombetas apocalípticas... seis e meia da manhã, caramba ! Salto louca da cama, não reparando que o sudário beije se enrolara sensualmente num tornozelo, e zás!  o tapete Arménio subiu que nem um foguete de encontro à minha cara meia dormente de sono.


Não sei quanto tempo demorei a sentar-me e a perceber-me... uns eternos 10 segundos, talvez mais.
Consegui muito a custo sair do quarto esperando a todo o momento dar de caras com um encapuçado negro de segadora na mão...


Abre, solta-me, abre , liberta-me, gritava em plenos pulmões uma figura de mulher farta, desgrenhada, enlouquecida, transfigurada e ao mesmo tempo estranhamente familiar, que encerrava por entre os dedos crispados de um punho cerrado, um cadeado escuro e ferrugento.


Olhou suplicante para mim. Chorava. Abre, liberta-me, falava entrecortada e ofegantemente sem largar a tranqueta pardacenta ... por favor, abre. Olha para mim, disse-lhe, olha. Reconheci imediatamente aquele olhar que conheço desde que nasci, calmo e sonhador, jovial e decidido, mas tão transtornado por um medo, uma ansia que lhe parecia toldar a razão.
 Escuta, dá cá o cadeado, dá-mo! Põe-no aqui na minha mão, vá . Vês ? Não precisas de qualquer chave nem sequer de o abrir para te libertares, mira-o bem e desmerece o facto do que ele possa ter sido. Já não é coisa alguma que te possa atemorizar; quanto muito provoca aversão,   está velho e gasto e só pode prender preconceitos, intolerâncias, incompreensões, fanatismos, facciosismos e inclemências, e tu não és dessas coisas, nunca foste. Se puxares a argola com força e a firme convicção de que és livre , vais ver que rebentas com qualquer réstia que ainda se lhe prenda. Experimenta.
 A vontade e a força partiram a tranqueta pelo gonzo deixando no ar um cheiro acre a vilanagem e  ferrugem. Vi os  humores iluminarem os olhos assustados, a cor voltar ao rosto e afivelar-se aquele meio sorriso que lhe desanuvia o cenho e desenha um arco de calma e  ponderação.

Deixei-me sentada no sofá, tranquila, a tomar uma tisana quente, enquanto afagava o pelo sedoso da gata que ronronava a cada passagem da mão. Sorri. Voltei para o aconchego , deitei-me e adormeci contente.
Sonhei que estava a dormir, deitada num pião gigante que rodava sem parar.


( All fotos by MD Roque)




                     

1 comentário:

  1. Os sonhos levam-nos para locais que nunca pensámos visitar.

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva